Militar suspeito de executar jovem no Barreiro estava de folga

Dois soldados da Polícia Militar de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, um da 1ª Companhia de Missões Especiais e outro do 39º Batalhão da PM, estão presos em uma unidade da corporação suspeitos de matar a tiros Alex de Faria Diniz, de 19 anos, por volta das 19h de sábado, no Bairro Lindeia, na Região do Barreiro, na capital. Os militares, comandados por um sargento, teriam invadido a casa da vítima para apreender uma arma, mas alegaram que foram recebidos a tiros e dispararam em legítima defesa. A família de Alex tem outra versão e denuncia que um dos soldados tinha uma rixa antiga com a vítima e a morte foi por vingança.

A Delegacia de Homicídios de Contagem vai instaurar inquérito para apurar o assassinato, mas a Polícia Militar, segundo o chefe de Comunicação, tenente-coronel Alberto Luiz, também já instaurou Inquérito Policial Militar (IPM) e mantém os suspeitos presos à disposição da Justiça, em uma unidade da PM cujo nome é mantido em sigilo.
Os dois soldados foram autuados em flagrante. Suas armas foram recolhidas e colocadas à disposição da Polícia Judiciária para perícia”, disse o coronel Alberto Luiz. Os soldados foram ouvidos no auto de prisão em flagrante.

O soldado da Companhia de Missões Especiais contou que estava de folga, à paisana, e quando passava de moto pela rua avistou Alex armado. Conta que pediu reforço policial e quando chegaram à casa de Alex, que era próxima, ele já estava sobre a laje disparando tiros. Os soldados e o sargento entraram na casa e Alex teria feito a mulher e o filho de seis meses como escudo, mas que foram retirados do local pelos PMs. Apenas os soldados teriam disparados tiros. “Os soldados disseram que salvaram duas pessoas e que revidaram agressão”, informou o tenente-coronel.

“Também estamos abrindo uma sindicância regular para também apurar possível envolvimento de um dos militares que estava de folga e que se colocou de serviço ao ver a suposta vítima armada”, disse o tenente-coronel Alberto Luiz. Segundo ele, a Lei 5.301, que trata do Estatuto do Militar Estadual de Minas Gerais, diz que o militar, mesmo de folga, está à disposição do serviço 24 horas.

Um comentário:

  1. Policial nenhum entrou na casa pra salvar ninguem, porque a esposa da vitima 'Alex' foi agredida brutalmente dentro da propria casa, entao ficou um hematoma no olho por muito tempo.

    ResponderExcluir

Os comentários deixados no site são de inteira responsabilidade de quem escreve e as publica. Isentando assim de responsabilidade o autor/editor do site. Portanto, tenha responsabilidade com seu comentário!