Sede da Delegacia de Itabira é interditada e o prédio é desocupado por risco de desabamento


O prédio da 4ª Delegacia Regional de Polícia Civil de João Monlevade , localizado na avenida Getúlio Vargas, 2.387, no bairro Baú foi interditado na tarde de ontem e todos os funcionários removidos do local devido ao risco de desabamento.
A informação foi passada à imprensa local em uma coletiva na tarde dessa terça-feira, 10, pelo Delegado Regional Paulo Tavares Neto. Segundo Paulo Tavares a medida foi tomada após receber, na sexta-feira, 06, um laudo do Instituto de Criminalística, Seção de Técnica de Engenharia (Stel), constatando riscos de inundação e desabamento.
Ele entregou uma cópia do laudo para a imprensa onde aponta vários problemas que foram detectados pela perícia como abertura de juntas de dilatação, movimentação no nível dos pisos do estacionamento, corredor e sala dos cartórios.Constatou ainda danos no sistema de cobertura com evidências diretas de vazamento em toda a laje, danos na rede elétrica, dados e telefonia. Danos na sistema da rede de esgoto primário com ocorrências de refluxo de resíduos orgânicos para o interior da edificação, existência de vários pontos de infiltração junto ao teto e paredes, empenamento de esqudrias das janelas e portas em virtude de recalques ocorrentes no prédio. Sistema de drenagem das águas pluviais superficiais totalmente comprometidas e a presença de uma cratera aberta no pavimento da via de acesso, interrompendo todo o sistema de drenagem superficial da região e da rede de esgoto primário.
Segundo o delegado, as orientações da perícia foi de saída imediata do local.
Praticamente todos os trabalhos realizados na Delegacia foram suspensos por tempo indeterminado. “Estamos tentando de todas as maneiras a amenizar o problema ao máximo para a população, mas tem serviços que não tem como, por exemplo o licenciamento de veículos, esse ficará parado totalmente até que mudemos para o novo prédio cedido pela Prefeitura na rua Duque de Caxias, onde estava sendo ocupado pela Polícia Militar”, disse.
Paulo Tavares disse que o local não será suficiente para comportar todos os departamentos da Depol. “O Estado irá disponibilizar um local para completar. Estivemos no prédio cedido pela Prefeitura, mas vimos que não irá nos atender completamente. Comunicamos o Estado que se prontificou em ceder uma área. Já conseguimos esse local e será onde hoje funciona a Cemig, na avenida Wilson Alvarenga, próximo ao Centro Educacional, que é alugado pelo Estado e eles (a Cemig), vão sair de lá”, completou Tavares Neto.
Segundo a Prefeitura Municipal já cedeu um terreno para que o Estado construa uma sede para a 4ª DRPC. “A Prefeitura cedeu o terreno, a construção ficará por conta do Estado. Nós temos a consciência dos problemas que o Estado vem enfrentando com as chuvas. Vamos aguardar até que essa situação se normalize para que possamos cobrar uma resposta mais rápida”, disse.
Quanto ao Presídio da cidade, Tavares disse que a situação é a mesma, mas que não poderia falar em nome dele, uma vez que hoje este setor é gerenciado pela Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi), mas se limitou a dizer que a ordem foi para que eles também desocupem o prédio, que abriga 150 detentos. Segundo Paulo Tavares a Prefeitura, o Estado e Defesa Civil do Município já foram alertadas quanto a situação do prédio do Presídio.
O delegado informou ainda que a Delegacia da Mulher está atendendo algumas situações, como flagrabtes, de forma precária devido as condições físicas. As informações também podem ser dadas pelo telefone da Delegacia da Mulher (31) 3852-1166, uma vez que os telefones da Delegacia Regional estão no prédio que está desocupado. Apenas um policial Civil ficará de plantão apenas para garantir a segurança dos documentos e equipamentos que ainda estão no imóvel.
O prazo para que tudo se normalize, segundo Tavares é de 30 dias.
Participaram da reunião além da imprensa, donos de auto escolas e despachantes. A preocupação dos despachantes era quanto a recibos vencidos. Paulo Tavares disse que se os documentos forem entregues a ele não serão cobradas multas pelo atraso, mas quem não entregar serão cobradas normalmente. Quanto ao vencimento de pautas ele disse que isso não tem como reverter porque é feito através de um sistema integrado.
Na tarde dessa terça-feira, uma faixa foi colocada na porta do prédio condenado alertando a população sobre o problema.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deixados no site são de inteira responsabilidade de quem escreve e as publica. Isentando assim de responsabilidade o autor/editor do site. Portanto, tenha responsabilidade com seu comentário!