Caso Serra.Corregedoria está perto de dar parecer sobre futuro de policiais acusados de matar tio e sobrinho

O destino profissional dos cinco policiais militares acusados de assassinar tio e sobrinho, há um ano, no aglomerado da Serra, em Belo Horizonte, deve ser conhecido em breve. No mês que vem, a Corregedoria da Polícia Militar espera dar um parecer sobre o processo administrativo movido contra os suspeitos. A expectativa dos familiares e amigos de Renilson Veriano da Silva, 39, e Jeferson Coelho da Silva,17, assassinados à queima-roupa com tiros de fuzil, é que os PMs sejam expulsos da corporação.

O processo na Justiça comum, pelo crime de homicídio, ainda não tem previsão de um desfecho. Nesse caso, apenas os soldados Jason Ferreira Paschoalino, 25, e Jonas David Rosa, 24, foram arrolados. Em outubro, ficou determinado que ambos iriam a júri popular, mas a defesa recorreu. Não há data também para quando o recurso será analisado.

"Somente teremos paz quando nós e toda a comunidade tiverem certeza da punição dos culpados", disse o pai de Jeferson, Denílson Silva. Se condenados, Paschoalino e Rosa podem pegar até 33 anos de prisão.

As mortes aconteceram no dia 19 de fevereiro de 2011, em uma ação do Batalhão de Rondas Táticas Metropolitanas (Rotam). Os soldados são acusados de matar à queima-roupa. Na época do crime, moradores do local denunciaram que suspeitos estavam envolvidos com favorecimento no tráfico de drogas. Para justificar as mortes, segundo o Ministério Público Estadual, os militares simularam um falso tiroteio para justificar a ação, que culminou nas mortes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deixados no site são de inteira responsabilidade de quem escreve e as publica. Isentando assim de responsabilidade o autor/editor do site. Portanto, tenha responsabilidade com seu comentário!