Denúncias de coação moral, perseguição, tratamento humilhante, entre outras violações de direitos humanos, envolvendo o comandante do 19° Batalhão da Polícia Militar em Teófilo Otoni

Audiência pública discute coação moral entre militares
Denúncias de coação moral, perseguição, tratamento humilhante, entre outras violações de direitos humanos, envolvendo o comandante do 19° Batalhão da Polícia Militar em Teófilo Otoni (Jequitinhonha/Mucuri), tenente coronel Marcos Barbosa da Fonseca, serão tema de audiência pública, nesta quarta-feira (14/3/11). A reunião da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais será realizada na Câmara Municipal de Teófilo Otoni, às 9 horas, e foi solicitada pelo deputado Sargento Rodrigues (PDT).
De acordo com informações da assessoria do parlamentar, Sargento Rodrigues foi procurado por policiais militares que estariam sendo vítimas de perseguições, tratamento humilhante e degradante, assédio moral, violação da intimidade e vida privada, coação moral, entre outras acusações. “As denúncias são muito graves e documentos comprobatórios serão apresentados durante a reunião”, esclareceu o deputado.
Para participar da audiência, foram convocados os nove policiais militares que estariam sendo vítimas das perseguições, o tenente coronel Marcos Barbosa da Fonseca e o comandante da 15ª Região da Polícia Militar, coronel José Geraldo Lima. “A convocação, e não o convite, principalmente dos praças, é fundamental, para que não sejam empenhados em alguma atividade que impeça a presença deles na audiência, o que é muito comum quando o denunciado faz parte do comando”, explicou Sargento Rodrigues.
Convidados – Além dos convocados, foram convidados para participar da reunião o comandante-geral da Polícia Miliar, coronel Márcio Martins Sant'Ana; o ouvidor de Polícia, Paulo Vaz Alkimin; o presidente da Associação dos Servidores do Corpo de Bombeiros e Polícia Militar de Minas Gerais (Ascobom), sargento Alexandre Rodrigues; o presidente do Centro Social dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiros Militares de Minas Gerais, cabo Álvaro Rodrigues Coelho; a coordenadora do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos e Apoio Comunitário do Ministério Público, promotora de Justiça, Nivia Mônica da Silva; o presidente da Associação dos Praças Policiais e Bombeiros Militares de Minas Gerais (Aspra), subtenente Raimundo Nonato Meneses Araújo; além de Jaime Ferreira Souto Filho, Walmor Alves de Souza, Giovane Esteves e Wanderley Bessa Neves.Fonte: ALMG 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deixados no site são de inteira responsabilidade de quem escreve e as publica. Isentando assim de responsabilidade o autor/editor do site. Portanto, tenha responsabilidade com seu comentário!