Sargento da PMMG tem dedo quebrado no Serra

Uma abordagem policial rotineira no Aglomerado da Serra, em uma "boca de fumo" (local utilizado por traficantes para comercializar drogas), na rua Sacramento, acabou em confusão no final da tarde deste domingo (13), quando familiares de um dos homens interceptados pelos policiais entraram em confronto com Polícia Militar, que precisou pedir reforço. Cerca de 15 policiais foram para o local incluindo viaturas do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate).

Segundo o tenente Mauro Lúcio, do 22º Batalhão, durante a abordagem a Wender Wesley Ferreira, 25 anos, o "Peixe", um dos moradores começou a bater em um dos policiais. “Eles tentavam impedir que levássemos o traficante”, comentou o tenente. Na confusão, um dos sargentos teve um dos dedos da mão quebrado e vários arranhões pelo corpo.

O traficante tem uma ficha extensa por envolvimento com o crime no aglomerado. Com Wender, havia outros dois suspeitos. A polícia não apreendeu nenhum material ilícito. Em menos de uma hora o conflito foi controlado.

Clima tenso no aglomerado

Desde o dia 26 de novembro do ano passado, a rotina dos moradores do aglomerado ficou tumultuada. Naquele dia, logo após a execução do pedreiro Helenilson Eustáquio da Silva Souza, de 24 anos, morto com um tiro na nuca disparado por um sargento do Grupo Especializado em Área de Risco (Gepar), os moradores ficaram revoltados.

Na mesma noite, dois ônibus e um automóvel foram incendiados. A interrupção de serviços essenciais, como transporte público e entrega de mercadorias transformou o aglomerado num barril de pólvora e obrigou o Batalhão de Policiamento de Eventos - grupo de elite da Polícia Militar - a traçar um "plano de pacificação" no Aglomerado da Serra.

Desde então, todos os dias os militares se reúnem em um local isolado, onde traçam a estratégia de incursão no aglomerado e decidem quais vias e becos serão vasculhados.

Na quinta-feira passada o Hoje em Dia acompanhou, com exclusividade, uma operação no aglomerado, chefiada pelo tenente Fernando Antunes. Com coletes à prova de balas e armados com fuzil calibre 5,56, pistolas semiautomáticas Imbel calibre 9 milímetros e escopetas, os militares foram desceram o morro. No final da operação, um homem foi preso com um veículo furtado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deixados no site são de inteira responsabilidade de quem escreve e as publica. Isentando assim de responsabilidade o autor/editor do site. Portanto, tenha responsabilidade com seu comentário!