Defensoria Pública denuncia PM por ordem para abordar negros e pardos


A Defensoria Pública de São Paulo apresentou uma denúncia administrativa, nesta quinta-feira (14), à Secretaria de Estado da Justiça e da Defesa da Cidadania contra a ordem do comando da PM de Campinas (SP) que orientou policiais a focar abordagens em pessoas negras e pardas. O pedido, assinado pelo capitão Ubiratan de Carvalho Góes Beneducci, foi enviado no fim de dezembro e valeu até o dia 21 de janeiro. A PM classificou, à época, o episódio como "deslize de comunicação".
Segundo a Defensoria, além da denúncia administrativa, que propõe advertência, multa e penalidades disciplinares para servidores que cometam criem de racismo, os defensores também apresentaram no mês de fevereiro representações junto ao Ministério Público para que seja instaurado um inquérito policial sobre o crime de racismo.
De acordo com o defensor autor da denúncia, a concretização da ordem dada pelo oficial da PM, “implica, necessariamente, em intimidação, constrangimento e vexame aos cidadãos negros". Já o defensor autor da representação argumentou que a ordem "identifica a imagem do cidadão negro com a de criminosos, o que é inadmissível".
A assessoria de imprensa da PM informou, por meio de nota oficial, que só irá se pronunciar no "momento oportuno". À época em que a ordem vazou, o porta-voz da instituição, o capitão Eder Antonio de Araújo, disse que as características citadas na ordem foram baseadas em uma carta de moradores do Taquaral, que descreviam um grupo que praticava roubos a residências.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deixados no site são de inteira responsabilidade de quem escreve e as publica. Isentando assim de responsabilidade o autor/editor do site. Portanto, tenha responsabilidade com seu comentário!