Deputado Durval Ângelo afirma que morte de fotógrafo no Vale do Aço

O deputado estadual Durval Ângelo (PT-MG) afirmou nesta segunda-feira (15), em sua conta do twitter, que o repórter fotográfico Walgney Assis Carvalho, de 43 anos, assassinado em Coronel Fabriciano nesse domingo (14), morreu porque tinha informações sobre a autoria do crime que resultou na morte do jornalista Rodrigo Neto, em março deste ano.
De acordo com Durval Ângelo, três dias após o assassinato do jornalista, em Ipatinga, a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais recebeu uma ligação anônima dizendo que o Walgney sabia quem eram os autores do crime.
O fotógrafo foi uma das primeiras testemunhas ouvidas pelo delegado responsável pelo inquérito que apura a morte de Rodrigo Neto e, segundo o deputado, temia pela própria vida caso seu depoimento viesse a tona. “Não tenho dúvidas que a morte dele é queima de arquivo”, afirmou o deputado.
Walgney foi assassinado com dois tiros nesse domingo, no bar de um pesque-pague, em Coronel Fabriciano. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deixados no site são de inteira responsabilidade de quem escreve e as publica. Isentando assim de responsabilidade o autor/editor do site. Portanto, tenha responsabilidade com seu comentário!