Polícia no sufoco após lei de crimes virtuais


Aprovada pelo Congresso Nacional no fim do ano passado e em vigor desde a última segunda-feira (1º), a nova lei que tipifica crimes cometidos no meio virtual vai sobrecarregar o trabalho da Polícia Civil de Minas Gerais. A partir de agora, quem invadir dispositivos como computador, Ipad ou celular para distribuir vírus ou acessar dados sigilosos poderá ser condenado a até três anos de prisão.
O inevitável salto nas ocorrências foi alertado pelo chefe da Delegacia Especializada em Investigação de Crimes Cibernéticos (Deicc), em Belo Horizonte, Pedro Paulo Marques. “Os casos vão aumentar de forma exponencial. Não há dúvidas. Imagina se cada pessoa que tiver um computador invadido vier até a delegacia”, indaga o policial.
Só nas duas unidades especializadas de Belo Horizonte – as únicas do Estado – há 2.500 inquéritos abertos. A cada ano, reforça o delegado, a demanda cresce 50%.
Crimes contra o patrimônio, como estelionato, lideram as ocorrências na Deicc. “E olha que não estamos levando em conta os registros do interior do Estado”, lembra o delegado.
Uma das alternativas para atender a demanda, principalmente fora da capital, é a criação de uma espécie de laboratório para capacitar e orientar os delegados de outras cidades.
“Hoje, a pessoa pode procurar qualquer delegacia, fora de BH, para fazer a denúncia. Esse laboratório não vai atuar no processo de investigação e sim otimizar o trabalho das demais delegacias”, diz Pedro Paulo Marques. A proposta será levada para a cúpula da Polícia Civil e para a Secretaria de Estado de Defesa Social.
HD

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deixados no site são de inteira responsabilidade de quem escreve e as publica. Isentando assim de responsabilidade o autor/editor do site. Portanto, tenha responsabilidade com seu comentário!