Amagis promove ato contra declarações de Deputado Durval Ângelo

 Aconteceu na tarde desta segunda-feira (20), no Fórum de Ipatinga, um ato de desagravo promovido pela diretoria da Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis).
Ele informou que o objetivo do ato é manifestar solidariedade à magistratura da Comarca de Ipatinga e repudiar as declarações feitas pelo presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Durval Ângelo (PT), contra os juízes do Vale do Aço, especialmente o juiz Antônio Augusto Calaes de Oliveira, titular da 2ª Vara Criminal da Comarca de Ipatinga.
Carneiro disse que a Justiça Penal de Ipatinga é séria e nunca fez concessões a policiais envolvidos no crime. Ele disse ainda que defender o cidadão e os direitos humanos é respeitar o constitucional direito à defesa e que a liberdade deve ser uma regra e não uma exceção.
Em suas declarações, o deputado fez acusações de que haveria “conivência” com criminosos. Durval Ângelo denunciou o juiz Antônio Augusto Calaes, que teria negado o pedido de cinco prisões preventivas a um policial acusado de envolvimento com o crime organizado.
Cales conversou com a reportagem do PLOX e repudiou as declarações do parlamentar.
Herbert Carneiro leu uma nota, em nome da Amagis: “Mais uma vez, a Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis) vem a público para manifestar sua solidariedade à magistratura da Comarca de Ipatinga e repudiar as calúnias assacadas contra os juízes do Vale do Aço, especialmente ao trabalho sério e devotado do juiz Antônio Augusto Calaes de Oliveira, titular da 2ª Vara Criminal da Comarca de Ipatinga”, diz um trecho do documento.
O evento atraiu representantes de várias entidades, que também foram prestar homenagens ao juiz Antônio Augusto Calaes.  O vice-presidente Sociocultural-Esportivo da Amagis, desembargador Tiago Pinto, veio em companhia do presidente. Também presentes estavam os representantes da OAB, Polícias Civil e Militar, Ministério Público, Defensoria Pública, o vice-prefeito de Ipatinga, Alfredo Ramalho e magistrados da comarca e região.
O vice-prefeito afirmou que levava também o apoio da prefeita Cecília Ferramenta, que, embora sendo do mesmo partido de Durval Ângelo, não o acompanha em suas declarações.
A delegada regional da Polícia Civil, Irene Angélica, também repudiou as palavras do deputado e manifestou apoio ao juiz de Ipatinga. Segundo ela,”esse tipo de acusação ao magistrado enfraquece as instituições e que elas só fornecem munição à criminalidade”.
PLOX

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deixados no site são de inteira responsabilidade de quem escreve e as publica. Isentando assim de responsabilidade o autor/editor do site. Portanto, tenha responsabilidade com seu comentário!