Ministério Público denuncia PC no Vale do Aço


CORONEL FABRICIANO - A Corregedoria da Polícia Civil de Minas Gerais indiciou o investigador Fabrício de Oliveira Quenupe e dois advogados de Coronel Fabriciano por falsificação de documentos e extorsão, entre outros crimes.
Fabrício atuava como policial civil na região do Vale do Aço, foi transferido para Nova Lima em 2012, após denúncias de seu envolvimento em esquemas de corrupção, e está preso em Belo Horizonte desde o dia 10 de maio deste ano. 
Clique na imagem para ler a matéria sobre a prisão de Fabrício Quenupe:
O investigador e os advogados teriam sido denunciados pelo Ministério Público por armarem um esquema para ficar com uma quantia em dinheiro apreendida em uma operação que resultou na prisão de dois jovens suspeitos de envolvimento com o tráfico de drogas, em 2011.
Na residência dos jovens teriam sido encontrados R$ 6.300,00 e Fabrício teria ameaçado  autuá-los por tráfico de drogas se a quantia não fosse apreendida. Posteriormente o investigador, auxiliado pelos advogados, teria feito um documento de restituição, para que o dinheiro fosse devolvido, já que foi comprovado que pelo menos R$ 5 mil era de uma rescisão de contrato de trabalho do pai dos detidos.
O documento foi assinado, mas o dinheiro nunca teria sido devolvido.
Uma escrivã teria afirmado em seu depoimento que a escala de plantão do dia em que o dinheiro foi apreendido foi apagada dos arquivos da Delegacia.

Fabrício Quenupe discutiu com Francisco Lemos enquanto o ex-vereador denunciava esquemas de corrupção na Polícia Civil no Vale do Aço. Clique na imagem e assista a discussão.
Plox

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deixados no site são de inteira responsabilidade de quem escreve e as publica. Isentando assim de responsabilidade o autor/editor do site. Portanto, tenha responsabilidade com seu comentário!