Um inútil ato de força da Polícia Civil

Foto da página 19 da edição de terça-feira 911) deste jornal mostra pneus queimando diante do “pirulito” da Praça 7 e, em primeiro plano, manifestantes que pararam por mais de uma hora o trânsito no entroncamento das duas principais avenidas de Belo Horizonte, segurando uma faixa com os dizeres: “Queremos uma polícia forte, valorizada e respeitada”.
Será assim, tumultuando o trânsito no centro da capital do Estado e atrapalhando a vida de milhares de cidadãos, que a Polícia Civil mineira se tornará forte, valorizada e respeitada?
A resposta é óbvia.
Esse tipo de comportamento parece indicar, ainda, que não basta que o governo atenda às reivindicações dos policiais por maiores salários e boas condições de trabalho, para que a polícia se torne melhor.
Pois o que se observa nesse tipo de atitude é que falta ao policial que assim se manifesta algo fundamental à vida em comunidade, que é o respeito ao direito dos outros. Um policial que menospreza o direito de ir e vir do cidadão, a título de reivindicar questões de interesse pessoal, está fadado a nunca ser respeitado. E sem o respeito público, não há polícia forte e valorizada.
Não se discute aqui se são justas ou não as reivindicações dos que na segunda-feira decidiram, em assembleia, paralisar 70% das atividades policiais no Estado, enquanto elas não forem atendidas pelo governo. Nem está em questão, por enquanto, se o governo e o contribuinte – que é quem, com seus impostos, paga o salário de todos os servidores públicos, incluindo o do governador – estão em condições de atender às reivindicações desse segmento armado do funcionalismo.
São muitas as demandas por melhores salários e condições de trabalho não só de policiais civis e militares, mas também de professores, médicos, enfermeiros – enfim, de todos os funcionários estaduais. Ao mesmo tempo, o governo precisa manter a máquina pública funcionando e cuidar para que sobre um pouco dos impostos arrecadados para investir em infraestrutura, escolas, hospitais, penitenciárias e tudo mais que a sociedade necessita para ter, ela própria, melhores condições de vida.
É necessário um mínimo de bom-senso na hora de apresentar uma reivindicação, e isso, flagrantemente, faltou a uma parcela da Polícia Civil. Não havia necessidade de tumultuar o centro da cidade para chamar a atenção da comunidade para sua causa. A própria greve decidida em assembleia durante a manhã se encarregaria disso. 
OTEMPO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deixados no site são de inteira responsabilidade de quem escreve e as publica. Isentando assim de responsabilidade o autor/editor do site. Portanto, tenha responsabilidade com seu comentário!