Sepultado com honras militares corpo da sargento dos bombeiros morta ao combater incêndio na Savassi


Sepultado com honras militares o corpo da sargento do Corpo de Bombeiros Fernanda Ferreira Patrocínio de Oliveira, de 33 anos. A cerimônia foi no final da tarde desta sexta-feira (19) no Parque Renascer, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. A sargento morreu após inalar uma grande quantidade de fumaça tóxica durante o combate a um incêndio, nessa quinta-feira (18), na Savassi, região Centro-Sul da capital. Ela foi encontrada desmaiada em um elevador do Condomínio Residencial Solar das Águias, na rua Tomé de Souza. Segundo os bombeiros, Fernanda sofreu uma parada cardiorrespiratória.
A sargento era lotada no 1º Batalhão de Bombeiros Militar e estava na corporação há quatro anos. Ela era casada com um soldado do 2º Batalhão do Corpo de Bombeiros em Contagem e os dois não tinham filhos. “O sonho dela sempre foi trabalhar ajudando pessoas, salvando vidas. A gente sempre ligava preocupado, para saber o que ela estava fazendo. Infelizmente ocorreu essa fatalidade", contou o pai da vítima, o almoxarife Gladison Vicente da Silva, de 57 anos.

Fernanda era um exemplo de superação para os seus familiares. "A família toda está despedaçada. Foi um susto muito grande perder a Fernanda. Ela era uma batalhadora, uma guerreia, que não tinha medo de nada. Fazia de tudo para fazer o seu trabalho bem feito", relatou o empresário Israel Lima, de 47 anos, tio de Fernanda.

Pelo Facebook, colegas de trabalho de Fernanda colocaram uma imagem de um laço preto com a logomarca do Corpo de Bombeiros, simbolizando luto. Na noite dessa quinta-feira, o Comando Geral do Corpo de Bombeiros Militar, por meio da assessoria de imprensa, divulgou uma nota em que lamenta a morte da militar e informa que prestará todo o apoio aos familiares da vítima.
Relembre o caso
Os moradores já haviam sido autorizados a voltar para seus apartamentos, após o combate ao fogo, quando um deles encontrou Fernanda inconsciente dentro do elevador. A própria equipe tentou reanimá-la, mas ela não resistiu à quantidade de fumaça tóxica inalada e acabou morrendo no final da tarde.
O incêndio começou por volta das 15h30, provavelmente provocado por um defeito no ar-condicionado do apartamento 802. Um dos cômodos do imóvel ficou completamente destruído e as chamas chegaram a atingir o andar de cima.
Cerca de dez viaturas do Corpo dos Bombeiros estiveram no local para controlar as chamas. Nenhum morador ficou ferido.
A Defesa Civil interditou o local e, nesta sexta-feira, foi realizada uma nova vistoria para verificar a possibilidade de liberação do prédio.
OTEMPO
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deixados no site são de inteira responsabilidade de quem escreve e as publica. Isentando assim de responsabilidade o autor/editor do site. Portanto, tenha responsabilidade com seu comentário!