5.000 MIL NOVOS POLICIAIS

Seminário realizado na Cidade Administrativa discutiu ações de prevenção e combate à criminalidade (OMAR FREIRE/IMPRENSA MG)A segurança pública em Minas receberá investimentos de R$ 600 milhões, que serão aplicados na contratação de 5 mil policiais civis, militares e bombeiros e construção de sete centros de prevenção à criminalidade para ampliar o programa Fica Vivo. Para o interior do estado está prevista a implantação de institutos médicos legais (IML) e de dois batalhões da PM, além do investimento de R$ 50 milhões em câmeras do programa Olho Vivo em 23 cidades. O anúncio foi feito ontem pelo governador Antonio Anastasia (PSDB), na abertura do Seminário Internacional de Defesa Social, na Cidade Administrativa, na Região Norte de BH. 
Anastasia informou que os recursos são oriundos de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BDNES) e já estão garantidos em caixa para 120 obras e ações. Ele 
falou da necessidade de investimento cada vez maior na prevenção da criminalidade, como o Fica Vivo, criado em 2003. O programa oferece oficinas culturais, esportivas e de lazer em áreas de risco social. Em média, são atendidos 13 mil jovens por ano. “Pesquisas indicam que, nas áreas de atuação do Fica Vivo foi possível reduzir os homicídios entre jovens de 12 a 24 anos em até 50%”, informou. Desde 2003, o estado investiu R$ 47,1 bilhões na segurança pública.
“Essa política de prevenção em Minas não somente do Fica Vivo, mas da integração e de todos os sistemas em parceria com a sociedade civil, certamente, é uma chave importante para reverter um pouco os indicadores que ainda são muito ruins”, disse. 
Experiências
O seminário reuniu especialistas em criminalidade. O professor, antropólogo, cientista político e escritor Luiz Eduardo Soares, secretário nacional de Segurança Pública no governo Lula, afirmou que o melhor caminho para conter a violência são prevenção, educação, acesso da população ao sistema de saúde e a serviços básicos. 

“Se as pessoas forem devidamente instruídas e educadas, tiverem condições de ter um desenvolvimento salutar da família com a comunidade, e tendo acesso aos serviços públicos, dificilmente essas elas serão captadas pelo crime”, afirmou a secretária-adjunta de Defesa Social de Minas, Cássia Gontijo, afirmou. Segundo ela, há uma tendência de queda nos crimes de homicídios, com acréscimo em determinados momentos. “Na área dos crimes contra o patrimônio tivemos elevação”, disse.
FONTE: UAI

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deixados no site são de inteira responsabilidade de quem escreve e as publica. Isentando assim de responsabilidade o autor/editor do site. Portanto, tenha responsabilidade com seu comentário!