Os efeitos da greve da Polícia Civil em Minas

A população mineira sente os efeitos da greve da  Polícia Civil de Minas Gerais que paralisou suas atividades em 10 de junho e atende somente 30% da demanda.  A greve é um dos instrumentos utilizados pela categoria a fim de mostra à sociedade o estado de  abandono e sucateamento da Instituição. Em 2011 a categoria interrompeu um movimento paredista depois da promessa do Governo em aprovar uma Lei Orgânica para sanar os diversos problemas vivenciados pela Instituição, promessa que até hoje não foi cumprida...

A precariedade da Instituição reflete em um atendimento sem qualidade, aumento da criminalidade, afastamentos por questões de saúde e total fragilidade no tocante ao cumprimento de seu mister.
É inadmissível que uma Instituição com a grandeza da PCMG seja  sucateada e abandonada enquanto as demais Instituições do mesmo segmento recebem investimentos e são respeitadas.
A luta do SINDPOL/MG é justa no que tange as melhorias reivindicadas por todos os operadores da segurança pública, uma vez que, o Governo possui uma dívida imensurável com a PCMG devido aos anos de abandono. A Polícia Civil, apesar de abandonada, ainda possui mulheres e homens valorosos que se arriscam, que trabalham em péssimas condições, mas continuam lutando para que a Polícia Civil permaneça e não sucumba diante do estado precário e da falta de compromisso do Governo.
SINDIPOL