Tiro que matou médico em explosão a caixas partiu de PM

O tiro que atingiu e acabou matando um médico durante uma explosão de caixas eletrônicos em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, em julho deste ano, partiu da arma de um tenente da Polícia Militar. A informação foi dada pelo coronel Dilmar Crovato, comandante da 9ª Região Integrada de Segurança Pública, durante a apresentação de suspeitos de envolvimento neste tipo de crime na manhã desta quarta-feira (11). A assessoria de imprensa da corporação confirmou os fatos.
De acordo com a PM, o militar, que não teve o nome revelado...
, foi indiciado por homicídio, mas responde ao processo em liberdade. Ele conseguiu o alvará de soltura na Justiça. O inquerito já foi encerrado e encaminhado ao fórum local. A previsão é que o suspeito seja julgado ainda este ano.
Entenda o caso
O médico dermatologista Marcos Vinícius Galante, de 52 anos, morreu ao ser baleado no peito na madrugada do dia 18 de julho. Ele trabalhava na Unidade de Atendimento Integrado (UAI), no bairro Martins, quando saiu para averiguar o que estava acontecendo nas proximidades, após ouvir barulho de tiros.
Segundo a PM, os disparos ouvidos pela vítima foram provenientes de uma troca de tiros entre policiais e criminosos, que haviam acabado de explodir dois caixas eletrônicos de uma agência da Caixa Econômica Federal que fica ao lado da UAI.
A vítima chegou a ser socorrida por colegas de trabalho e encaminhada às pressas ao Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU). Porém, o dermatologista não resistiu ao grave ferimento e morreu na unidade de saúde.
Segundo os policiais, pelo menos três homens armados atiraram contra uma viatura e o cofre de um dos terminais detonados foi violado.
R7