Corregedoria pede demissão de delegado suspeito de matar namorada de 17 anos

Segundo a corregedoria, ficou comprovado que ele permitiu o registro de duas motos roubadas que tiveram os chassis e motores adulterados. Uma delas, inclusive, teria saído no nome do próprio delegado.O delegado Geraldo Toledo do Amaral,suspeito de matar a tiros a ex-namorada de 17 anos, está prestes a perder o cargo de policial civil. O pedido de demissão, assinado pelo corregedor-geral Renato Patrício Teixeira, foi publicado no Diário Oficial de Minas Gerais no último sábado (12).


O pedido de demissão, que segue para o governador Antonio Anastasia (PSDB), se refere a irregularidades cometidas há oito anos e investigadas desde 2011. Na época, Toledo era delegado de trânsito em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte.
De acordo com o trecho publicado no Diário Oficial, a comissão "considerou o acusado responsável pela prática de procedimento irregular de natureza grave, propondo ao excelentíssimo governador do Estado (...) a aplicação da pena de demissão".
Não foi definido prazo para a decisão. Caso seja expulso da corporação, Toledo deve perder o benefício de ficar preso na Casa do Policial Civil em Belo Horizonte.

Toledo responde ainda pelo homicídio de Amanda Linhares, 17 anos, com quem tinha relacionamento amoroso. No dia 14 de abril de 2013, os dois discutiram dentro do carro em uma estrada perto de Ouro Preto. Após o tiro, Toledo levou a garota ao hospital e fugiu. Ao se entregar, disse que ela teria tentado o suicídio. Peritos encontraram o carro do delegado na casa de um amigo e as roupas usadas no dia do crime, o que indica que ele tentou ocultar provas.