Empresária coloca faixa pedindo para comprar os produtos que foram levados por ladrão

Depois de perder cerca de R$ 100 mil em produtos ao ter o estabelecimento furtado quatro vezes, a empresária Denise Maia decidiu tomar uma atitude inusitada e chamar a atenção de quem passa pelo bairro Bernardo Monteiro, em Contagem, na Grande BH. A comerciante estendeu uma faixa onde pede aos bandidos que, da próxima vez que furtarem o local, revendam os itens para ela: "Senhor ladrão,solicito que após furtar-me de novo, ofereça o produto a mim mesmo. Comprar no mercado legal custa muito caro e sei que o senhor vende baratinho. Prometo sigilo absoluto, pois não desejo ser preso por receptação por produto roubado. Certo de sua compreensão, aguardo.
Denise explica que já havia visto iniciativa semelhante na internet e achou interessante como forma de protesto pelos problemas que passa por conta dos constantes crimes. Nem mesmo um cachorro Pit Bull e grades ao redor da empresa de materiais hidráulicos foram suficiente
s para impedir a entrada dos bandidos, que chegaram a levar o equipamento de câmeras de segurança do imóvel.
Embora tenha deixado seu telefone para contato, a comerciante não tem esperanças de que os suspeitos apareçam e ressalta que todos reclamam da insegurança na região, mas ninguém teve a "ousadia" de fazer algo parecido.
— Eu chego muito cedo na empresa e dá uma sensação muito ruim, chegar e ver as janelas escancaradas. Aí pensei em fazer um negócio engraçado para "zuar" a situação mesmo.
A empresária conta que não esperava tanta repercussão: a faixa, que está pregada no muro há uma semana, é diariamente fotografada por motoristas e pedestres que circulam pelo bairro. A medida "drástica" surtiu efeito: militares do 18º Batalhão entraram em contato com Denise e tomaram providências sobre o assunto, segundo o Major Lopes, comandante da 133ª Companhia.
—Vamos pedir para que a viatura faça passagens periódicas durante a madrugada por lá. Mas não recomendamos que se identifique, coloque telefones, porque pode chamar a atenção de outros indivíduos para novos delitos.
O tempo