Caso de civis baleados por militar causa atrito entre corporações

Do R7 com Record Minas
O fato de dois policiais civis terem sido baleados por militar no bairro Juliana, na região norte de Belo Horizonte, causou atrito entre as corporações, cujos representantes têm opiniões diferentes sobre o que ocorreu.

Depois que Marcelo Batista Bento, de 31 anos, e Marcelo Gonçalves Ferreira, de 32, foram baleados e socorridos, a rua onde ocorreu o fato foi tomada por dezenas de policiais civis e militares, que entraram em atrito por mais de uma vez.
O desentendimento mais grave ocorreu após policiais militares tentaram levar o policial responsável pelos disparos para um quartel e não para uma delegacia.

Revoltados, civis impediram que a viatura fosse para o quartel e tiveram que ser contidos. Eles alegaram que, como o militar praticou o crime no momento em que não estava trabalhando, ele tem que responder pela tentativa de homicídio na Justiça comum e não na militar, como queriam os militares presentes no local. CONTINUA...

Outro ponto que causou atrito entre as corporações foi a questão de integrantes da PM (Polícia Militar) terem tentado levar a principal testemunha, um motoqueiro, em uma viatura da sua corporação. Depois de discussão, o piloto acabou sendo transportado em um carro da Deoesp (Divisão Especializada de Operações Especiais).

De acordo com Sinpol/MG (Sindicato dos Policiais Civis de Minas Gerais), a tentativa da PM de impedir a ida do cabo à delegacia expõe a rivalidade entre as forças.
Já durante coletiva sobre o caso, o superintendente da PC (Polícia Civil), Jefferson Botelho, e o corregedor da PM, Helbert Fernandes, tentaram explicar o que ocorreu, respectivamente.

— Evidentemente, esse acirramento de ânimos diante de uma circunstancia dessa natureza é até previsível. Felizmente, graças a Deus, não aconteceu um fato pior. Se houve excesso, esse acirramento de ânimos, evidentemente, as pessoas serão ouvidas e responsabilizadas

— Tivemos uma participação muito efetiva das autoridades, dos próprios policiais civis, dos militares, apesar de estarem ressentidos e sentidos com a situação. Ter um colega baleado realmente não é uma situação agradável, mas a razão prosperou, todos voltaram ao normal. Os delegados e os policiais no local conseguiram trazer a calma

Entretanto, segundo o subcorregedor da PC Elder D'Angelo, que acompanhou o caso deste o início, os militares erraram.

— O procedimento normal é fazer a prisão, entregar ao delegado, apresentar ao delegado e o delegado irá decidir sobre a autuação em flagrante. Este que é o procedimento padrão. Até porque não se trata de crime militar. O policia militar, segundo foi me informado, está de licença médica. Então, a arma que foi utilizada é particular dele, não é arma da corporação. Foi um crime comum. Não há necessidade dessa movimentação toda, não sei o porque disso tudo.
Entenda o caso
Os policiais civis foram baleados pelo militar após serem confundidos com bandidos ao abordarem um motociclista durante investigação no bairro Juliana, região norte da capital mineira.
O piloto foi parado pelos civis em frente à papelaria da esposa do militar. Eles estavam um carro descaracterizado e, por isso, a comerciante achou que se tratava de um assalto e pediu ajuda para o companheiro. Em seguida, o cabo, de 30 anos, atirou diversas vezes contra os civis.
As vítimas, que são da Delegacia de Vespasiano, na Grande BH, foram socorridas e levadas para o Hospital Risoleta Neves, em Venda Nova. Porém, Marcelo Gonçalves Ferreira foi transferido para o Hospital Vera Cruz, em Belo Horizonte, durante a madrugada desta quinta-feira (21). Os dois não correm risco de morte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deixados no site são de inteira responsabilidade de quem escreve e as publica. Isentando assim de responsabilidade o autor/editor do site. Portanto, tenha responsabilidade com seu comentário!