Justiça nega liberdade a policial suspeito de matar jornalista em Ipatinga

O policial civil Lúcio Lírio Leal, apontado como um dos responsáveis para a morte do jornalista Rodrigo Neto em Ipatinga, no Vale do Aço, teve o pedido de relaxamento de prisão negado na segunda-feira (11).

O juiz Antônio Augusto Calaes, da 2ª Vara Criminal de Ipatinga, também negou a revogação da prisão preventiva. O investigador está detido desde junho.

O advogado Eliseu Borges Brasil entrou com o pedido no dia 24 de outubro. Ele alega excesso de prazo e garante que não há risco para testemunhas.

— Olha o tempo em que ele ficou solto depois da morte do Rodrigo. Não fez nada com ninguém, é réu primário, não justifica ficar preso esse tempo.
CONTINUA...

O defensor dá a entender que o fato de Lúcio conhecer Alessandro Neves Augusto, o Pitote, apontado pela polícia como o assassino de Rodrigo, pode ter complicado sua situação.

— Só há a suspeita em cima do Lúcio. O problema dele foi ter se envolvido com quem não deveria.

Lúcio Lírio Leal, segundo a Polícia, estava com a picape Fiat Strada usada para a fuga após a morte de Rodrigo. O carro era roubado e clonado, segundo as investigações.
R7

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deixados no site são de inteira responsabilidade de quem escreve e as publica. Isentando assim de responsabilidade o autor/editor do site. Portanto, tenha responsabilidade com seu comentário!